Perguntas e Respostas

Compartilhe

Apresentamos aqui algumas questões de ordem prática, sobre áreas específicas, com as quais você pode se identificar. As perguntas são selecionadas a partir de dúvidas enviadas por nossos cadastrados e visitantes, ou formuladas por nossa própria equipe.

Atenção: Este é apenas mais um recurso para auxiliar seu ministério. Não se trata de uma seção de “tira-dúvidas” ou consultoria on-line, e sim da exposição de dúvidas frequentes no ministério e liderança cristã. Portanto, você pode nos enviar suas perguntas, porém informamos que não assumimos o compromisso de resposta a todas elas, assim como não garantimos sua divulgação nesta seção.

Categoria:

Administração Geral

É necessário para a igreja traçar sua missão, visão e valores assim como faz uma empresa? Na Palavra já não estão definidas todas essas coisas?

É extremamente importante que a igreja estabeleça sua missão, visão e valores. Cada igreja possui suas peculiaridades que a torna diferente das outras. A essência é a mesma, a Palavra de Deus, porém cada uma tem em suas raízes nuances que as diferem das demais.

Assim, enquanto uma igreja de uma determinada região do país entende que a sua visão é alcançar os jovens do bairro onde está localizada, uma outra entende que deve focar em restauração de famílias através tendo seu alvo nos casais. Veja que o fato da igreja ter uma visão específica como acima mencionado não significa que as outras áreas não serão cobertas.

Importante lembrar que a missão e a visão, juntamente com valores e crenças, dão identidade e personalidade a uma organização e assim também é com a igreja. A missão reflete a sua razão de existir e, como já mencionado na pergunta, estará sempre relacionada com a missão que nos foi deixada pelo Senhor na sua Palavra. Já a visão aponta para o destino e expressa o que uma organização ou igreja almeja ser.

Administração Geral

As teorias de administração que existem hoje servem também para entidades sem fins lucrativos ?

Em certo sentido, entidades sem fins lucrativos funcionam nos mesmos moldes teóricos de entidades com fins lucrativos, sob o ponto de vista de gestão e administração. 

Elas têm uma missão, delineiam seus objetivos, têm movimentação financeira, empregam pessoas, comunicam-se com seu público-alvo e com a comunidade, têm sua rotina operacional, necessitam de estratégias, estão inseridas em um contexto legal, prestam contas ao Governo em vários níveis, aos associados (sócios), aos doadores, contribuintes etc. 

Sendo assim, os mesmos princípios ensinados pela Administração podem ser aplicados às organizações sem fins lucrativos. Gestão Financeira, Gestão de Pessoas e Gestão de Operações são exemplos de áreas clássicas da Administração que contém em si uma variedade de princípios aplicáveis. 

Um dos livros que indicamos para sua leitura sobre o tema é Administração de organizações sem fins lucrativos, de Peter Drucker, Editora Thompson Pioneira.

Administração Geral

Nossa igreja tem porte médio e uma variedade de ministérios que têm objetivos bem diversos em função das pessoas que pretendem atender, no caso, temos a 3ª idade, os juniores, as mulheres, os homens, os especiais e outros. Como podemos avaliar e corrigir a rota de cada um sendo que eles têm características tão diversas?

Uma avaliação deve necessariamente tomar como base algo estabelecido anteriormente, como por exemplo, as metas e alvos discutidos entre o líder daquele ministério e o pastor da igreja. Fazer uma avaliação sem parâmetros prévios é difícil e injusto. 

Alguns passos podem ser seguidos para ajudar na avaliação e direcionamento de cada ministério. Assim, a sugestão é a seguinte: 

Definição de propósito - nesta etapa busca-se identificar claramente o que se pretende realizar através deste ministério. É a descrição do "porquê" de sua existência. Cuidado com definições muito genéricas. Procure ser bem específico e funcional. 

Definição de objetivos - nesta etapa deve-se descrever quais os resultados que se pretende atingir, num dado período de tempo. Essa elaboração deve envolver os participantes de cada ministério, considerando o que já tem sido realizado em período anterior e as potencialidades reais para o novo período. 

Definição de estratégias - trata-se da descrição do como se pretende realizar os trabalhos. A formalização das estratégias será de vital importância ao longo do período. Em geral, por não escreverem os caminhos que se pretende trilhar, os ministérios correm o risco de começar algo e não terminar, já partindo para outra estratégia. 

Definição de responsáveis - neste ponto relaciona-se o nome dos responsáveis, bem como a descrição de suas principais atribuições e autonomia. 

Com esses passos básicos, acreditamos que as conversas com os ministérios podem ser muito produtivas. Seria interessante que a cada etapa se fizesse um registro das decisões e resultados.

Administração Geral

O que deve conter em um projeto administrativo a ser aprovado pelo presbitério?

Um projeto ministerial ou administrativo pode conter pelo menos o seguinte conteúdo: 

1. Propósito (a que se propõe) 
2. Principais objetivos 
3. Principais atividades a serem desenvolvidas 
4. Recursos necessários 
5. Pessoas envolvidas 
6. Finanças (orçamento) 
7. Estrutura física 
8. Comunicação 
9. Cronograma das atividades 
10. Responsáveis 
11. Indicadores de desempenho (para avaliar a performance do projeto) 

Certamente muito tempo de oração e compartilhamento com aqueles que estão envolvidos será necessário. Nossa dica é que vocês tenham um foco bem definido para atuação. Seria interessante também consultar o presbitério para verificar quais são os pré-requisitos para aprovação de projetos já estabelecidos. Denominações, convenções e presbitérios recebem muitas propostas e a pessoa encarregada poderá lhe dar dicas específicas a respeito de itens que não podem faltar no seu projeto. 

Por último, lembre-se de que um projeto é algo com início, meio e fim. Sendo assim, para que tenha êxito, os objetivos, o cronograma e o orçamento devem estar bem claros e definidos.