Perguntas e Respostas

Compartilhe

Apresentamos aqui algumas questões de ordem prática, sobre áreas específicas, com as quais você pode se identificar. As perguntas são selecionadas a partir de dúvidas enviadas por nossos cadastrados e visitantes, ou formuladas por nossa própria equipe.

Atenção: Este é apenas mais um recurso para auxiliar seu ministério. Não se trata de uma seção de “tira-dúvidas” ou consultoria on-line, e sim da exposição de dúvidas frequentes no ministério e liderança cristã. Portanto, você pode nos enviar suas perguntas, porém informamos que não assumimos o compromisso de resposta a todas elas, assim como não garantimos sua divulgação nesta seção.

Categoria:

Administração Geral
É necessário para a igreja traçar sua missão, visão e valores assim como faz uma empresa? Na Palavra já não estão definidas todas essas coisas?

É extremamente importante que a igreja estabeleça sua missão, visão e valores. Cada igreja possui suas peculiaridades que a torna diferente das outras. A essência é a mesma, a Palavra de Deus, porém cada uma tem em suas raízes nuances que as diferem das demais.

Assim, enquanto uma igreja de uma determinada região do país entende que a sua visão é alcançar os jovens do bairro onde está localizada, uma outra entende que deve focar em restauração de famílias através tendo seu alvo nos casais. Veja que o fato da igreja ter uma visão específica como acima mencionado não significa que as outras áreas não serão cobertas.

Importante lembrar que a missão e a visão, juntamente com valores e crenças, dão identidade e personalidade a uma organização e assim também é com a igreja. A missão reflete a sua razão de existir e, como já mencionado na pergunta, estará sempre relacionada com a missão que nos foi deixada pelo Senhor na sua Palavra. Já a visão aponta para o destino e expressa o que uma organização ou igreja almeja ser.

Finanças e Contabilidade
Os membros da diretoria podem receber prebenda pelo exercício de função administrativa (tesoureiro e secretário, por exemplo)?

As Igrejas “puras” (só atividade religiosa, sem outras atividades como educação, saúde, etc.) não estão obrigadas a cumprirem o requisito de não remunerar seus dirigentes. Ou seja, podem remunerar.

Gestão de Pessoas
O que é RH ? Como posso fazer uso eficaz de RH para liderança? Que material posso usar para melhor desempenho?

O RH é uma sigla que significa recursos humanos e pode ser visto de diversas formas. Como um departamento ou função é a unidade ou o setor de uma organização (Igrejas, inclusive) responsável pela operacionalização e prestação de serviços ao recrutamento, seleção, treinamento, benefícios, segurança do trabalho, remuneração, rotinas trabalhistas (depto pessoal) etc. Como uma prática podemos dizer que é a política adotada pelas organizações. Já os profissionais de RH são aqueles que trabalham diretamente naquelas áreas citadas acima, ou seja, em todos os subsistemas de RH. 

A respeito de material para melhor desempenho é preciso primeiro definir bem o que quer e onde se quer chegar. Por exemplo: se o objetivo é desenvolver líderes, treine-os e procure descobrir quais ações são inadequadas e quais são adequadas. Nas inadequadas: treine, desenvolva, aperfeiçoe. Para as adequadas: elogie, fortaleça, estimule. 

Neste caso o melhor seria fazer um diagnóstico de necessidade de treinamento e desenvolvimento antes de tudo, pois isto ajudaria a tomar decisões mais focadas nas "necessidades". 

Tendo esta etapa bem clara, o segundo passo é treinar e desenvolver a liderança (primeiro treine e depois desenvolva de forma sistemática as ações direcionadas às necessidades). 

Algumas organizações têm terceirizado todo o trabalho de RH para que a liderança possa focar na "missão da igreja". 

Sintetizando, cremos que o uso eficaz do RH se dará se tiver bem claro a política adotada, a filosofia de trabalho desenvolvida no RH e um bom planejamento. 

Há um autor considerado o mais completo em RH que se chama Idalberto Chiavenato. Ele tem vários livros sobre o assunto. Cremos que um bom título para começar é o Gestão de pessoas - o novo papel dos recursos humanos nas organizações da Editora Campus.

Legislação e Direito
Com base no novo código civil qualquer pessoa poderá se candidatar a pastor de uma igreja?

O Novo Código Civil não faz qualquer referência a questões espirituais ou "governo espiritual"; a escolha dos pastores e sua respectiva formação decorrem dos preceitos de crença e culto de cada uma das igrejas no exercício desta liberdade constitucional.

A questão que muitas vezes causa dúvidas é se o presidente da igreja poderá ou não ser o pastor e se a igreja pode exigir em Estatuto que o presidente da igreja seja sempre o pastor: os pastores podem exercer concomitantemente as funções de "líder espiritual" e presidente administrativo da igreja; porém, para que a igreja possa exigir que o pastor seja sempre seu presidente faz-se necessário que o pastor seja sempre eleito pela assembleia geral (que possui competência privativa para escolha do presidente e diretoria) e que a igreja contemple no Estatuto os requisitos para que uma pessoa se torne "pastor". 

Em suma, a igreja é livre para escolher a forma de qualificação e "ordenação" de seus pastores; o novo Código Civil não mudou nada neste sentido.

Liderança Geral
Muito se fala sobre a importância de um pastor saber delegar tarefas. Mas existem tarefas não-delegáveis?

O texto de Êxodo, quando Jetro instrui a Moisés nos dá uma dica de que existem sim coisas que não devem ser delegadas. Na função pastoral principalmente! Há muita coisa que somente o pastor como líder e aquele que tem a visão do todo na igreja, tem que resolver! Por isso, talvez seja melhor um planejamento legal entre o pastor e seu grupo de liderança para definir exatamente isso. O que podemos delegar? Ao pastor cabe algumas prerrogativas que ele não deve jamais transferir a membros e também a liderança a igreja. As vezes isso se dá pela falta de visão, pela falta de preparo pastoral, profissional, espiritual, teológico, etc.

Tecnologia e Informática
Adquirimos equipamentos de informática para informatizar a igreja e gostaríamos de orientações na implantação dessa nova ferramenta.

Muitas são as aplicações úteis da informática no dia-a-dia de uma igreja. Para ilustração, podemos relacionar algumas principais: 

1. Secretaria
- emissão de correspondências 
- controle do rol de membros (baixas e admissões) 
- emissão do boletim da igreja 

2. Tesouraria e contabilidade
- controle de entradas e saídas de recursos (livro-caixa) 
- lançamentos contábeis de todas as transações financeiras 
- emissão das diversas guias de recolhimento de tributos e encargos 
- emissão dos demonstrativos contábeis 

3. Ministérios
- apoio geral em comunicações internas 
- controles diversos de atividades (ex. visitação etc.) 
- elaboração de transparências de cânticos 
- elaboração de material didático (infantil, escola dominical etc.) 

4. Pastoral
- arquivo de estudos bíblicos e sermões 
- acompanhamento de relatórios (financeiros, membresia) 

Apenas citamos algumas aplicações, sendo que para cada uma é necessário um software específico. Em geral, os softwares podem ser divididos em 2 categorias: os aplicativos e os relacionados aos sistemas operacionais. Os aplicativos podem ser divididos em os de rotina (ex. contabilidade, folha de pagamento etc.) e os de escritório (word, excel etc.). Os softwares relacionados aos sistemas operacionais, por sua vez, são aqueles que formam a infraestrutura para que os aplicativos possam funcionar (ex. windows, softwares de redes, banco de dados etc.). é importante que antes que sejam feitos qualquer investimento em software, seja definido muito bem quais aplicações fazem sentido para o momento. 

Em geral, nossa vontade é de implantar tudo o que é possível. Entretanto, há de se mudar gradativamente a cultura interna. Assim, sugerimos que sejam implantadas as aplicações uma a uma, evitando-se, também, o acúmulo de investimentos. 

Se por um lado a informática é uma grande ferramenta, é importante que seja dito que não é barata. Em geral os custos relacionados à manutenção dos equipamentos, dos softwares, do aumento de consumo de papel, energia elétrica, toner para impressora, treinamentos etc. podem assustar qualquer tesoureiro. Assim, reforçamos que cada passo seja dado com muito critério, observando-se os impactos no caixa para que sejam evitadas surpresas indesejáveis nas despesas. Não se deixem levar pelo modismo de simplesmente terem que usar os equipamentos. Devemos lembrar que são somente ferramentas.