Noticias

Compartilhe

120 pessoas mortas, 140 casas destruídas pela Nigéria Fulani desde fevereiro

Pelo menos 120 pessoas foram mortas por supostos ataques dos militantes Fulani desde fevereiro no estado de Kaduna, na Nigéria, com os últimos ataques na segunda-feira, resultando na morte de mais de 50 pessoas e na destruição de mais de 140 casas. 

O governador do estado de Kaduna, Nasir El-Rufai, impôs  nesta semana um toque de recolher na área do governo local de Kajuru, já que milhares de pessoas foram expulsas de suas casas pela violência causada por militantes fulanis.

O toque de recolher vem como tem havido uma série de recentes ataques contra as comunidades dentro da predominantemente cristã Adara chefia do sul de Kaduna.

Na segunda-feira, 52 pessoas morreram, dezenas ficaram feridas e cerca de 143 casas foram destruídas em ataques nas vilas de Inkirimi, Dogonnoma e Ungwan Gora, no distrito de Maro, na área do governo local de Kajuru, segundo Christian Solidarity Worldwide .

O ataque de segunda-feira ocorreu após um ataque no domingo, na vila de Ungwan Barde, em Kajuru, na qual 17 pessoas foram mortas e dezenas de casas foram incendiadas.

No final de fevereiro, houve outro ataque em Maro que resultou na  morte de cerca de 38 cristãos e viu casas e uma igreja incendiadas. Em 10 de fevereiro, 10 pessoas foram mortas em um ataque em Ungwan Barde, enquanto outras seis foram mortas em ataques isolados no dia anterior.

A CSW, uma ONG reconhecida pelas Nações Unidas que defende cristãos perseguidos em todo o mundo, relata que as vítimas dos ataques de segunda-feira incluíram mulheres e crianças. Sobreviventes disseram à organização sem fins lucrativos que os atacantes estavam separados em três grupos. Um grupo atirou e matou pessoas, o segundo incendiou prédios e um terceiro correu atrás de pessoas que fugiam da cena.

Segundo a CSW, uma vítima do ataque que sofreu um corte profundo entregou um bebê natimorto pouco depois.

"Estamos profundamente perturbados com o ressurgimento de ataques de milícias no sul de Kaduna e estendemos nossas mais profundas condolências ao povo Adara", disse o presidente-executivo da CSW, Mervyn Thomas, em um comunicado .

A CSW acredita que a violência recente poderia ter sido incitada pelas alegações do governador Kaduna El Rufai, na véspera das eleições presidenciais da Nigéria, que 66 pessoas, a maioria Fulani, foram mortas em Kajuru.

A alegação foi refutada pela Agência Nigeriana de Gestão de Emergências. O Capítulo do Estado de Kaduna da Associação Cristã da Nigéria acusou o governador de entregar informações falsas.

No entanto, Rufai não recuou da alegação e mais tarde elevou o número de mortos para 133 mortos, segundo a CSW. Rufai também ordenou a prisão de nove anciões de Adara e chefes de aldeias.

A comunidade de Adara ainda está se recuperando da morte do líder da chefia de Adara, Raphael Maiwada Galadima, um homem católico que foi sequestrado e mortoem outubro passado.

Em dezembro de 2018, o governo de Kaduna dividiu a chefia de Adara em dois emirados.

“Nós fazemos eco ao apelo pela libertação imediata e incondicional dos anciões de Adara, que foram detidos arbitrariamente. No interesse da justiça e da equidade, pedimos a restauração do governo de Adara ”, disse Thomas. “[Nós] pedimos a todos que estão em posições de autoridade que se abstenham de fazer acusações infundadas capazes de incitar a violência e prejudicar ainda mais as frágeis relações com a comunidade.”

A Nigéria classifica-se como o 12º pior país do mundo no que diz respeito à perseguição cristã, de acordo com a World Watch List do Open Doors USA de 2019 . 

Somente em 2018, milhares de cristãos foram mortos por militantes fulanis , deixando alguns para dizer que o genocídio está ocorrendo no cinturão do meio da Nigéria.

O estado de Kaduna não está sozinho em sofrer de violência Fulani como outros estados no Cinturão Intermediário também enfrentaram.

Em 4 de março, militantes Fulani no estado de Benue teriam atacado três aldeias, matando 23 pessoas com balas e facões, de acordo com a International Christian Concern .

A CSW está pedindo ao governo federal nigeriano que lide com o aumento da violência de maneira “decisiva e imparcial”.

"A morte e a destruição implacáveis ??são uma triste acusação do fracasso contínuo de ambos os níveis de governo em cumprir o mandato principal de proteger imparcialmente todos os seus cidadãos", argumentou Thomas.

Fonte: The Christian Post, 15/ 05/ 2019