Noticias

Compartilhe

Militantes islâmicos matam 6 cristãos no Congo, 470 famílias fogem da violência

Seis cristãos, incluindo uma criança de 9 anos, teriam sido mortos em um ataque recente em uma aldeia predominantemente cristã no nordeste da República Democrática do Congo.

A Portas Abertas dos EUA, uma organização sem fins lucrativos que luta contra a perseguição cristã em 60 países, informa que cerca de 500 famílias fugiram de suas casas quando as forças rebeldes atacaram a aldeia cristã de Kalau, perto da cidade de Beni, na província de Kivu.

O ataque supostamente durou cerca de quatro horas e acredita-se que tenha sido perpetrado pelas Forças Democráticas Aliadas, um grupo militante ativo na província de Kivu do Norte, na RDC e em Uganda.

Lançada em meados da década de 1990 por rebeldes muçulmanos ugandenses expulsos de Uganda, a ADF tornou-se o grupo rebelde mais ativo e violento da RDC, atingido pelo conflito nos últimos dois anos.

Fontes com conhecimento do ataque em Kalau disseram à caridade que os agressores fingiram ser agentes de segurança quando chegaram à aldeia.

Os impostores chegaram ao centro da aldeia antes que houvesse qualquer suspeita de que não eram quem diziam que eram. Nesse ponto, os rebeldes começaram a disparar suas armas contra os aldeões. Entre os mortos no ataque estão a criança de 9 anos e pelo menos três mulheres.

“Uma enfermeira do hospital de Nyankunde, em Beni, disse ao Open Doors por telefone que os agressores prosseguiram em direção à casa do chefe da aldeia”, afirma o relatório do Portas Abertas . “Quando mataram os cães de guarda, o tiroteio fez as pessoas correrem. Dois aldeões que tentaram fugir foram mortos.

O pastor Gilbert Kambale, que opera uma organização da sociedade civil com sede em Beni, disse ao Portas Abertas que 470 famílias do Congo fugiram para Beni após o incidente.

Muitas das famílias foram abrigadas por famílias anfitriãs ou refugiadas dentro das escolas da Beu Commune de Beni.

A área de Beni não é estranha à violência causada pela ADF, já que centenas de civis foram mortos na área nos últimos cinco anos.

De acordo com a Portas Abertas, acredita-se que a ADF tenha matado pelo menos 700 civis e mais de 20 membros da força de paz da Organização das Nações Unidas (ONU).  

Em agosto de 2016, a ADF foi responsabilizada por realizar o que é conhecido como o “massacre de Beni”, onde pelo menos 64 foram galpeados até a morte .

A Portas Abertas espera que mais violência seja provável no futuro.

"Ouvimos os rebeldes dizendo que trabalharam por muito tempo nos domínios de sequestros e assassinatos, mas agora eles querem passar para o estágio de ocupação do território", disse um líder da comunidade local ao Open Doors. "Eles querem ocupar a área que reivindicam como deles."

A província de Kivu do Norte também está no meio de um surto de Ebola de oito meses. As forças da ADF são culpadas por dificultar os esforços de socorro ao Ebola e ataques contra os centros de tratamento do Ebola. Pelo menos uma clínica foi incendiada.

De acordo com Eleanor Beevor, do Instituto Internacional de Estudos Estratégicos, acredita-se que a ADF seja responsável pelos assassinatos de pelo menos 249 pessoas em 2018.

De acordo com o Congo Research Group da New York University, um membro do ADF postou pelo menos 35 vídeos em canais de mídia social privados que mencionaram ou mostraram ataques militantes, continha leituras do Alcorão e imagens de mensagens de doutrinação e propaganda entre 2016 e 2017.

Conflito tem atormentado segunda maior nação da África há décadas. Segundo a organização humanitária cristã World Vision , pelo menos 2,1 milhões de pessoas na RDC foram deslocadas recentemente em 2017 e 2018. Com cerca de 4,5 milhões de deslocados, a RDC tem o maior número de pessoas deslocadas internamente em África. 

Fonte: The Christian Post, 19/ 03/ 2019