Entrevistas

Compartilhe

Administrando sobre a perspectiva de Deus


Pastor da Assembléia de Deus, ex-diretor da CPAD e diretor executivo da Editora Vida, com sede em São Paulo, desde 1987, Eude Martins reúne uma experiência pouco comum - e necessária - no meio evangélico: a de administrador que busca resultados, mas que baseia suas ações em princípios bíblicos. Além do currículo que registra passagens por algumas das maiores empresas cristãs, participa ainda de diversos organismos a serviço do Reino, como a Visão Mundial, ABEC, Missão Kairós, e Missões Portas Abertas.

foto de Eude MartinsComo pode ser definida uma empresa cristã?
Eude Martins - Uma empresa secular qualquer pode ser considerada uma empresa cristã se a administração observa os princípios bíblicos de relacionamentos, honestidade, ética e observância irrestrita da lei. Ou "empresa cristã" pode ser uma empresa que produz, comercializa e/ou presta serviços exclusivamente voltados para a divulgação da Palavra de Deus e seus princípios, incluindo-se aí as editoras, as gravadoras evangélicas, as empresas voltadas à produção de materiais de apoio à igreja e ministérios, as promotoras de eventos cristãos, etc.

Como conciliar lucros e visão ministerial?
Eude - Alcançar bons resultados é meta comum a todos os empreendedores, cristãos ou incrédulos. Quando consagramos a Deus os talentos que recebemos, Ele capacita as nossas vidas. Louvo a Deus pela geração de empreendedores guerreiros que tem maximizado o uso de seus dons. É estimulante constatar que há muitos empreendedores cristãos investindo na qualidade do atendimento, na gestão eficaz, em honestidade integral (mesmo diante dos escorchantes impostos cobrados), na valorização da equipe de funcionários, entre tantas outras. Uma empresa cristã não deve incorrer no risco de optar entre "ministério" ou "negócio". Ambos os fatores devem estar presentes, bem como o lucro. Administração ineficiente é mau testemunho para empresas e mais ainda para ministérios. É fácil dizer que Deus é sócio em um empreendimento. O difícil é fornecer uma explicação plausível quando a empresa vai mal e caminha em direção à bancarrota.

Por que existe ainda uma resistência no meio cristão à profissionalização de alguns setores?
Eude - A minha observação é que estas pessoas são improdutivas e vêem na profissionalização o perigo de perderem o "ganha-pão". Sabem que serão substituídas por "gente que sabe o que faz".

Uma empresa cristã enfrenta resistência no seu mercado de atuação?
Eude - Durante um bom tempo de minha vida profissional, achei que havia uma resistência das livrarias seculares aos livros evangélicos. Depois de muitos contatos e muita conversa, descobri que as paredes de uma livraria não são de borracha e, portanto, não é possível ter disponível todas as obras que publicamos. Quando produzimos uma Bíblia, um livro ou outro produto qualquer, que seja relevante para o mercado, conseguimos romper a resistência e ocupar nosso espaço.

Quais os conflitos que costumam existir dentro de uma empresa cristã e como podem ser resolvidos?
Eude - Uma empresa cristã convive com os mesmos problemas de gestão e relacionamentos das demais empresas. E, por isso mesmo, os conflitos são similares. Ambas são constituídas de pessoas e pessoas sempre falham. Os conflitos advêm dessas falhas. Em uma empresa cristã devemos lidar com as pessoas sob a perspectiva de Deus e sermos mais compassivos, dando uma chance às pessoas de se corrigirem e evoluírem profissionalmente. Se não corresponderem a esta confiança, então só resta demiti-las.

Pela lógica, uma empresa cristã não deveria enfrentar dilemas éticos, mas isso ainda acontece. Com lidar com essa questão?
Eude - Depende muito da ética da liderança. Se a liderança prima por atitudes e comportamentos que não ferem os princípios da Palavra de Deus, ela terá autoridade para enfrentar estes dilemas. Infelizmente falta enfrentamento a esses dilemas exatamente porque o testemunho de vida da liderança da empresa compromete sua autoridade.

Reprodução Autorizada desde que mantida a integridade dos textos, mencionado o site www.institutojetro.com e comunicada sua utilização através do e-mail artigos@institutojetro.com