Conselho de Jetro

Compartilhe

Uma panela de água fervente

Nem Jeremias nem o povo precisavam de uma visão alertando sobre o perigo cada vez mais evidente ao norte. Todos tinham conhecimento dessse fato. Era necessário, porém, saber que o mal teria limites. A visão da panela ao fogo mencionou, localizou e revelou os limites do mal que estava afligindo a todos com um tipo de paranóia metafísica.
Por falta de experiência e de conhecimentos, permitimos que o inimigo se expanda por todo o ambiente e sobre as emoções como uma neblina, obscurecendo as fronteiras da realidade e envolvendo tudo com um cinza ameaçador e úmido.(...). Com certeza o mal domina grande parte do mundo em que vivemos. Essa constatação é assustadora. Se vivemos de forma realista, com os olhos bem abertos, veremos a maldade que reina nesse planeta. Como, então, podemos descansar diante desse quadro? A visão de Jeremias nos fornece a resposta: O mal não está em todas as coisas, não está presente em todos os lugares. Ele tem um nome. Tem um princípio e um fim. O mal que estende suas poderosas garras sobre todos, não é selvagem ou incontrolável; é um julgamento cuidadosamente ordenado cuidadosamente ordenado sob o comando de Deus. A panela de água fervente limita o mal a um local e uma finalidade. Não podemos, portanto, ser ingênuos no trato com o mal - ele deve ser enfrentado. Tamém não podemos ficar intimidados, pois ele será usado por Deus para o nosso bem. Assim, um dos mais extraordinários aspectos das boas-novas é que Deus usa pessoas de todos os tipos, até as más, para cumprir seus bons propósitos. O grande paradoxo do julgamento divino é que o mal é utilizado como combustível no forno da salvação. Eugene H. Peterson em Ânimo! O antídoto bíblico contra o tédio e a mediocridade.

Leia também