Artigos

Compartilhe

Liderança Geral

De dentro para fora


"Sobre tudo o que se deve guardar, guarda o coração,
porque dele procedem as fontes da vida." (Pv 4.23)

A última década tem sido marcada como um período dos maiores escândalos corporativos da História. Incontáveis fraudes operacionais, contábeis e financeiras em empresas seculares e de atuação global têm ocupado os noticiários, conduzindo o mundo a grande insegurança e descrença em suas instituições, que deveriam exercer o papel de proteção. Pessoas comuns têm sido arrastadas a grandes prejuízos em suas aplicações no mercado financeiro, além dos reflexos na economia real como desemprego e recessão das atividades.  Ao invés de prevenir, os governantes correm atrás dos prejuízos deixados por executivos ambiciosos. Pela falta de rigorosos mecanismos de proteção, as deficiências não foram detectadas a tempo de serem evitadas. O preço que toda a sociedade está pagando é muito caro. Mas o que está por trás disso?

Todo líder está inserido em duas grandes dimensões de sua vida: uma dimensão objetiva da atividade e outra subjetiva de sua identidade. A primeira é aquela mais visível, e diz respeito ao seu desempenho. Sua palavra-chave é "resultado". O mundo, em geral, avalia alguém somente nesta perspectiva. Se estivermos falando de um líder empresarial, por exemplo, nos interessaremos pelo que apresenta de resultado em sua gestão, na geração de mercados, na valorização das ações da empresa, no desempenho financeiro da organização etc. Pouco nos importa se ele mente, se é fiel em seu casamento, se é justo em suas decisões ou se é ético em seus procedimentos.

A segunda dimensão, a mais importante perante Deus, que vê o coração, diz respeito ao caráter. Sua palavra-chave é "integridade". Falamos muito sobre ela quando comentamos a respeito de pessoas, mas esta dimensão não é fator de decisão na escolha de políticos ou de ícones no mundo artístico, por exemplo. Torna-se difícil e pesado demais avaliar alguém nesta perspectiva, até porque todos se dizem honestos e justos.

O problema da integridade reflete a natureza humana. E mexer lá dentro é uma operação que somente Cristo pode fazer, por intermédio do seu Espírito. A liderança espiritual da Igreja deve focar a dimensão do caráter, lançando-se intencionalmente na direção de influenciar a formação da identidade das pessoas no padrão de Cristo, preenchendo esta lacuna na sociedade.

Sem sombra de dúvidas, a crise mundial que vivemos é fruto da grande deficiência de integridade dos líderes nos dias de hoje. Urge, pois, a necessidade de que novos líderes sejam construídos a partir do caráter para a performance, de dentro para fora.

Reprodução Autorizada desde que mantida a integridade dos textos, mencionado o autor e o site www.institutojetro.com e comunicada sua utilização através do e-mail artigos@institutojetro.com.

Leia Também:
Testemunho dá trabalho 
Líder: Vale a pena ser sincero 
Ética para uma liderança autêntica