Artigos

Compartilhe

Liderança Pastoral

Liderança sem sombras


Uma das mais difíceis situações a lidar em liderança é com a falta de transparência. As agendas ocultas são uma fonte constante de problemas. Trabalhar com vários líderes sem a tranquilidade de que as questões serão colocadas e discutidas com liberdade e honestidade é sofrimento certo. Para dizer o mínimo.

Na verdade, agendas ocultas levam a distorções perigosas em qualquer ambiente. As palavras não expressam tudo, a verdade não é tão confiável, há desconfiança por todos os lados. Ninguém trabalha em paz com medo de ter seu tapete puxado a qualquer momento.

Imagine um clima assim em instituições religiosas (ONG'S ou Igrejas). Difícil? Improvável? Nem tanto! Infelizmente, esta distorção não é privilégio de uma ou outra instituição, pois, se não houver cuidado, pode se instalar em qualquer lugar.

Espaço para as discordâncias

Conheço, entretanto, algumas igrejas e instituições em que as agendas ocultas são exceções raras. Onde o conceito de "sem cartas na manga" é uma realidade consistente. Onde as pessoas têm liberdade para expor idéias, discutir questões, abrir o coração sem medo de retaliações. Há espaço para as discordâncias e para os pensamentos diferentes, pois a transparência não se confunde com falta de opinião ou subserviência.

Não poucas vezes o debate leva a exposições eloquentes que se opõem, completa ou parcialmente. No entanto, ambientes onde há espaço para a sinceridade propiciam amadurecimento para lidar com conceitos diferentes. Líderes maduros se destacam nessas situações. Seguros de sua posição e valor, não agem de forma defensiva. Ainda que não se consiga um consenso sobre a matéria, o respeito pelo outro é completo, manifesto: a divergência de idéias não permite o desrespeito, a ofensa ou a maledicência.

Os debates mais acalorados infundem respeito mútuo, pois há a percepção de que de nenhuma parte vem o desejo de atingir pessoalmente o líder. É estimulante participar de reuniões onde os líderes estão abertos, seja para expor, seja para ouvir. Onde não se tenta vencer diminuindo o outro, fazendo julgamentos ou desqualificando as pessoas. Onde as pessoas podem falar o que pensam com sobriedade, domínio próprio e respeito.

Trabalhar com líderes que não se importam em trazer seus argumentos à luz é um privilégio. Não ficam se escondendo nas sombras de argumentações falaciosas, críticas infundadas ou vaidades. Tudo fica mais fácil, inclusive aceitar que opiniões diferentes das nossas prevaleçam e se mostrem melhores.

Reprodução Autorizada desde que mantida a integridade dos textos, mencionado o autor e o site www.institutojetro.com e comunicada sua utilização através do e-mail artigos@institutojetro.com.

Leia Também
Líder: criador de confusão ou conciliador
Resistência à liderança
Gestores paternalistas