Artigos

Compartilhe

Liderança Pastoral

Contando os nossos dias


Ensina-nos a contar os nossos dias, para que alcancemos coração sábio.  (Salmo 90.12)

Meu pai comemorou 80 anos de vida. Louvado seja Deus por isso! Fiz os cálculos considerando os anos bissextos (ano com 366 dias, a cada quatro anos) e cheguei à conclusão que ele completou 29.220 dias. As calculadoras também oferecem recursos que nos ajudam a contar facilmente o número de dias entre duas datas. Mas, seria isso o que quer o salmista quando pede que Deus o ensine a contar seus dias? Certamente não!

Muito além de calcularcontar significa narrardescreverrelatarContar os nossos diassignifica narrar a nossa história, descrever seus episódios e relatar as circunstâncias que nos cercam. Mais importante que o fato é a interpretação que damos dele. A leitura da realidade pode ser feita de maneira sábia, prudente e sensata, ou de maneira imprópria, ignorante e equivocada. Diante dessa consciência nasce o pedido que Deus nos ensine como contar os nossos dias

O livro de Salmos pode ser dividido em diversos pequenos livros. Os salmos do Livro I (1-41) são mais pessoais, os do Livro II e III (42-89) nacionais, e os dos Livros IV e V (90-150) litúrgicos, ou seja, voltados para o louvor regular e público a Deus. Em sua maioria, os salmos são de autoria anônima, atribuindo-se alguns deles a Davi. Em particular, o salmo 90 é atribuído a Moisés - grande líder educado nos palácios do Egito, experimentado na fé e no poder de Deus, que, no auge dos seus 120 anos, ainda cantava conscientemente com todo o povo: Senhor, ensina-nos a contar os nossos dias!

Interessa-nos aprender a contar a nossa história segundo a versão que o próprio Deus daria a ela. Contar como o próprio Senhor contaria cada uma das cenas que atuamos no palco de nossas vidas, quer seja em momentos que fomos atores principais, coadjuvantes ou simplesmente figurantes que assistiram os fatos que se avizinharam.

Quando contarmos a vida segundo a sabedoria de Deus, perceberemos sua brevidade, compreendendo-a como dádiva divina a ser vivida com o devido respeito ao seu imenso valor. Perceberemos que a eternidade do nosso Deus não é uma antítese, mas uma resposta a essa brevidade. Ao contarmos nossos dias na perspectiva de Deus viveremos considerando o aqui e agora, curto e abreviado, efêmero e passageiro, com um olhar no ali e futuro, extenso e eterno, cheio de plenitude e significado.

Quando contarmos os incidentes pelos quais passamos segundo a versão dada por Deus, jamais deixaremos de perceber que Ele nunca nos abandonou, nem jamais nos deixou. Ao contrário, sempre presente, nos livrou e abençoou no meio das adversidades. Estava lá a cada lágrima derramada, a cada soluço contido. Estava lá, mesmo que eu não o visse nem o percebesse. Ao contar segundo sua narrativa perceberemos que veio dele todo o tipo de sustento necessário a vida.

Quando contarmos as passagens de nossa vida segundo a interpretação dada por Deus, perceberemos nuances e detalhes que só Ele enxerga. O Senhor vê muito além da superfície panorâmica de cada lance da vida. Ele enxerga as intenções secretas e reservadas e adiciona o que não conhecíamos. Ele aprofunda e deixa simples, claro e verdadeiro. Seus olhos não deixam escapar nenhum pormenor, particularidade ou minúcia. Ele tudo vê, tudo sabe, tudo conhece.

Quando contarmos nossa vida segundo o autor da vida, enxergaremos a nós mesmos não mais com a rejeição e censura, ou altivez desmedida com que nos enxergamos. Será adicionado em nossa narrativa um tom cheio amor, mergulhado na misericórdia como Ele nos enxerga e descreve.

Como você conta os dias que passaram neste ano que acabou? Como você contará os diasdo novo ano que começa? Vamos nos unir nesse cântico que diz: Ensina-nos a contar os nossos dias, para que alcancemos coração sábio.

Reprodução Autorizada desde que mantida a integridade dos textos, mencionado o autor e o site www.institutojetro.com e comunicada sua utilização através do e-mail artigos@institutojetro.com.

Leia Também
Dias melhores na liderança
Aos pastores e mestres: educar exige coerência!
Como será o amanhã