Artigos

Compartilhe

Liderança Pastoral

Celebrando uma igreja sensível


"Não cobicei nem a prata, nem o ouro, nem as roupas de ninguém. Pelo contrário, vocês sabem que eu trabalhei com as minhas próprias mãos e consegui tudo o que eu e os meus companheiros de trabalho precisávamos. Em tudo tenho mostrado a vocês que é trabalhando assim que podemos ajudar os necessitados. Lembrem das palavras do Senhor Jesus: "É mais feliz que dá do quem recebe". Quando Paulo acabou de falar, ajoelhou-se com os irmãos e orou. Então todos choraram muito e abraçaram e beijaram Paulo. Estavam tristes, especialmente porque ele lhes tinha dito que nunca mais iam vê-lo. Então eles o acompanharam até o navio" (Atos 20.33-38 - NTLH).

Neste momento, Paulo está na cidade de Mileto, conversando com os líderes da igreja em Éfeso. Ele estava com pressa a caminho de Jerusalém. Tinha sido avisado pelo Espírito Santo que passaria por prisões e sofrimento. Sua urgência o faz dar orientações muito diretas sobre serem uma igreja que se importa com o necessitado. Suas breves palavras apontam as marcas de uma igreja sensível.

Uma igreja sensível é formada por pessoas trabalhadoras (v 33-34). 
O próprio apóstolo foi exemplo de alguém que trabalhou para seu sustento. As igrejas que fundou poderiam legitimamente sustentá-lo, mas sua decisão de não se utilizar desse direito era mais forte (1 Coríntios 9.6-16). Ao ter seu sustento da fabricação de tendas, Paulo (1) desenvolveu novos relacionamentos (Atos 18.1-3); (2) viveu elevado nível de altruísmo (Atos 20.33-35); (3) exercitou sua livre vontade de servir ao Senhor (1 Coríntios 9.17-18); (4) teve autoridade superior perante questionamentos dos cristãos (2 Coríntios 11.7); (5) fugiu de qualquer tipo de jogo eclesiástico, bajulação e intuitos gananciosos (1 Tessalonicenses 2.5-9); e (6) transformou-se em exemplo a ser seguido, principalmente àqueles que não querem trabalhar (2 Tessalonicenses 3.6-12).

Uma igreja sensível compartilha com os necessitados (v 35-36). 
Paulo não visava somente sua sobrevivência. Tinha claro que o fruto do trabalho permitia o privilégio de ajudar os necessitados, jamais por constrangimento, coerção, ou obrigação. Ao contrário, "cada um contribua segundo tiver proposto no coração, não com tristeza ou por necessidade; porque Deus ama a quem dá com alegria" (2 Coríntios 9.7). Aquele que compartilha tem o privilégio de aliviar a dor do outro, trazer conforto ao próximo, ajudar o necessitado, levantar o que está sem vigor, alimentar o faminto, dar água ao sedento, abrigar o órfão, cuidar dos velhos, amparar crianças indefesas, libertar o oprimido. A lista de oportunidades é infindável.

Uma igreja sensível desenvolve profundos laços de apreciação e amor (v 37-38). 
Aquele momento que viviam era de intensa emoção. As últimas palavras de Paulo apontam para um forte compromisso pelo interesse do outro, sua disposição de abrir mão de sua própria vida em doação ao outro e sua orientação que todos seguissem seu exemplo. O resultado foi intenso respeito e amor uns pelos outros retratado neste quadro final de choro, beijos e abraços.

Como igreja local, a 1ª Igreja Presbiteriana Independente de Londrina, nestes 75 anos, tem dado importantes passos nessa direção através da Plataforma Social. A ação direta acontece através do Ministério de Ação Social e Diaconia, com distribuição de cestas básicas aos mais carentes, roupas, e ajuda até com algumas outras necessidades, como remédios.

Com o apoio dos membros da igreja, a Diaconia acontece através de instituições onde a IPI é mantenedora ou parceira. Através do Instituto Esperança, dentre outras atividades, cuida-se de 60 crianças no Centro de Educação Infantil Alegria. Através da Associação Água Pura, atende-se mais de 500 pessoas por mês nos grupos de apoio, oficinas, atendimentos sociais e psicológicos a dependentes químicos. Cuida-se de mais de 50 pessoas idosas que moram no Lar Maria Tereza Vieira. No Hospital Evangélico (AEBEL) atende-se mensalmente mais de 8 mil pessoas no Pronto Socorro e mais de mil consultas ambulatoriais pelo SUS. Além disso, mantém parceria com importantes organizações como a Missão Vida e a Missão Caiuá.

Agradecemos a todos que já têm se envolvido nessa obra e convidamos a tantos outros que se juntem a nós: Vamos crescer na prática de sermos uma igreja sensível!

Reprodução Autorizada desde que mantida a integridade dos textos, mencionado o autor e o site www.institutojetro.com/ e comunicada sua utilização através do e-mail artigos@institutojetro.com

Leia também
A missão de Jesus como modelo para o exercício da liderança
Moradores de rua e a missão vida
Solidariedade e a Igreja