Artigos

Compartilhe

Liderança Pastoral

Encontrando alívio e descanso


Vinde a mim, todos os que estais cansados e sobrecarregados, e eu vos aliviarei. Tomai sobre vós o meu jugo e aprendei de mim, porque sou manso e humilde de coração; e achareis descanso para a vossa alma. Porque o meu jugo é suave, e o meu fardo é leve. (Mateus 11.28-30)

A vida traz consigo suas cargas e sobrecargas, pesos e sobrepesos. São incontáveis as aflições, adversidades, ameaças e perigos que sobrevêm sobre o ser humano. Quer seja dentro das famílias, nas escolas, no trabalho, na vizinhança ou nas ruas, temos sofrido com relacionamentos rompidos, agressões e hostilidades das mais variadas formas e intensidades. Somos vítimas e réus. Sofremos e causamos dor. Em algum momento da vida, ou em toda vida, chega o tempo que nos sentimos cansados e, pior, sobrecarregados.

Nesse contexto, Jesus traz três verdades que nos libertam e produzem uma nova vida.

Chegar-se a Jesus (vinde a mim) é o primeiro passo.

Não adianta buscar em outra pessoa, atividade, ou lugar. Só Ele tem resposta ao coração aflito. Só ele tem palavras de vida eterna. Só ele tem poder e autoridade para nos libertar. Só ele tem saída para os labirintos que nos metemos. Mas, não é se achegar de qualquer maneira. Há um jeito aceitável: através de um coração contrito e arrependido. Por isso, Tiago declarou: Chegai-vos a Deus e ele se chegará a vós. Purificai as mãos, pecadores; e vós que sois de ânimo dobre, limpai o coração. (Tg 4.8) Coração contrito e arrependido jamais será desprezado pelo Senhor (Sl 51.17). Quando nos achegamos a Deus, imediatamente recebemos alívio (e eu vos aliviarei), mas continuamos cansados. Como em um Pronto Socorro, ao chegarmos recebemos os primeiros procedimentos, recebendo alívio, mas é necessário todo o tratamento mais profundo.

Caminhar com Jesus é o que vem a seguir (tomai sobre vós o meu jugo).

Jugo é uma barra ou armação de madeira colocada ao redor do pescoço de dois animais de tiro, especialmente bois, para uni-los na tarefa de carregar a carga. Com isso, os animais caminham juntos, na mesma direção, dividindo a carga. Perceba que Jesus não está falando que ele tomará o nosso jugo, mas que nós é que devemos tomar o jugo dele. Isso implica em submissão às suas palavras, ao caminho que ele irá percorrer, na direção que ele quer dar. Muitos se achegam, mas nem todos o seguem. Por isso, continuam cansados. Quando nos submetemos ao seu jugo, não haverá mais peso sobre nós, pois os ombros de Jesus são mais largos e fortes. Por isso seu jugo é suave e seu fardo é leve para nós, pois é carregado por ele.

Aprender de Jesus é o que naturalmente acontecerá na caminhada com Cristo (aprendei de mim, porque sou manso e humilde).

Mansidão é a virtude de Jesus que nos livra em tempos de adversidade. É o que o fez dormir mesmo quando o barco estava em meio à tempestade. Tempestade lá fora, mas não aqui dentro (Mc 4.35-41). Ela é necessária para esperar o agir de Deus, para não se deixar dominar pelo medo, para blindar o coração contra as angústias que nos invadem nos tempos de tempestades. Humildade é a virtude de Jesus que nos livra dos tempos de glória. Ela é o que o fez glorificar o Pai em todo o tempo, mesmo tendo sido o instrumentos para operação de tantos milagres e maravilhas (Jo 17.4) Ela é necessária para evitar o orgulho e o falso conceito que somos bons e poderosos quando a situação está a favor. "Como o crisol prova a prata e o forno o ouro, assim o homem é provado pelos louvores que recebe." (Pv 27.21). Diante dos louvores a humildade verdadeira é aquela do coração que sabe que todas as fontes de sua vida vêm do Senhor e não traz para si a glória. O orgulho pesa mais que a angústia.

Não somente alívio, mas há um repouso preparado para o povo de Deus (Hb 4.9). Vamos nos achegar a Jesus, seguir seus passos e aprender dEle. Somente assim encontraremos perfeito descanso para nossas almas.

Reprodução Autorizada desde que mantida a integridade dos textos, mencionado o autor e o site www.institutojetro.com e comunicada sua utilização através do e-mail artigos@institutojetro.com

Leia também
Correndo a corrida
Cargos ou cargas?
Líderes que choram