Artigos

Compartilhe

Gestão de Pessoas

Esperteza demais para mim


Texto de referência - Lucas 16.1-9          

Jesus conta-nos a história de um gerente que defrauda os bens de um homem muito rico. Ao ser flagrado em seu delito, recebe aviso prévio de sua demissão e lhe é exigido que preste contas de sua gestão. Ele sabia que tinha desviado recursos e que não haveria como escapar daquela auditoria. Está consciente de seu pecado. Sabia que as consequências eram drásticas. Neste rápido período de tempo enquanto ainda não foi afastado totalmente do cargo, o homem executa um plano muito sagaz para alcançar graça diante dos olhos dos devedores de seu patrão, concedendo descontos generosos de 20% a 50% sobre as dívidas.

Ao tomar conhecimento desse procedimento, inesperadamente o Senhor elogiou a sagacidade e habilidade de seu administrador. À primeira vista, é uma parábola estranha aos nossos olhos. Jesus choca mais uma vez o pensamento comum, pois, à primeira vista, parece que nosso Mestre elogia um salafrário, vigarista, malandro, ladrão, corrupto. De fato, muitos estudiosos da Bíblia chegam até a afirmar que esta parábola é incompreensível. Juliano, o Apóstata, usou essa história para afirmar a inferioridade da fé cristã e do próprio Cristo. Mas que lições Jesus estaria querendo ensinar com uma história tão polêmica?

O administrador defrauda seu Senhor. De fato, a história evidencia o coração de toda humanidade que recebeu a riqueza incalculável da vida e de toda obra da criação, mas desviou de seu propósito original. Os bens e recursos que temos não pertencem a nós. Somos administradores, mordomos, gestores, mas esquecemos disso. Ao contrário, nos apropriamos da vida como se ela fosse nossa. Não a criamos, não a compramos, não a conquistamos. A vida  simplesmente nos foi concedida para os propósitos de seu real proprietário. Confundimos a posição que nos foi confiada como se fôssemos donos. Prestaremos contas um dia de todas as nossas decisões.

O administrador é flagrado pelo seu Senhor. Tudo o que fazemos, mesmo no oculto e escondido, será revelado um dia. Jesus recebeu o destino e a missão de deflagrar nossos corações. Sempre foi assim diante de Deus. Desde recém-nascido, Jesus foi declarado por Simeão como alguém diante do qual os pensamentos seriam manifestados (Lucas 2.35). O apóstolo Paulo declarou que haverá um dia em que Deus vai julgar os segredos dos homens mediante Jesus Cristo (Romanos 2.16). Esse sempre foi o procedimento de Deus. Quando Davi foi flagrado em seu terrível pecado de adultério e assassinato, Natã declarou "porque tu o fizeste em oculto, mas eu farei isto perante todo o Israel e perante o sol" (2 Samuel 12.12).       

O administrador espalha a graça de seu Senhor. Há uma sutileza intencional na história. O gerente foi flagrado, mas não foi lançado na prisão, foi demitido, mas não punido, foi exigida a prestação de contas, mas não a devolução do que se roubou. Não colhe o que semeou, não ganha o que merece. Isso irrita os ouvintes que esperam julgamento, justiça, decisão sumária de condenação imediata para esse homem mau. Por sua vez, esse administrador percebe dois aspectos do caráter de seu patrão. Por um lado, o dono espera obediência e age com juízo em relação ao delito. Por outro lado, o dono demonstra misericórdia e generosidade fora do comum. Isso é chamado "graça". Aqui nasce a esperteza saudável. Ao perceber que seu patrão é um homem generoso e misericordioso, o administrador apostou toda sua vida nisso. Apostou e ganhou. Ele entra em um mundo que nunca conheceu - o mundo da graça de seu Senhor. Quando o proprietário soube que sua fama de graça e generosidade havia espalhado, ao invés de negá-la desfazendo os descontos concedidos, ele a confirma elogiando seu administrador. Os devedores ficam maravilhados com a gratificação generosa do proprietário. De fato, o dono de todos os bens escolheu pagar o preço pela salvação de seu gerente.     

A história do Administrador é a história de todos nós. Estamos em aviso prévio, mas ainda dá tempo para verdadeiro arrependimento. A malandragem está em não ser mais malandro. A esperteza está em ser verdadeiro, deixando-se flagrar ao invés de se esconder. Deixe-se ser alcançado pela graça salvadora de Cristo em todas as áreas de sua vida. A vida e os recursos que estão em nosso poder não nos pertencem. Sejamos administradores que espalhem a graça do Senhor.

Reprodução Autorizada desde que mantida a integridade dos textos, mencionado o autor e o site http://www.institutojetro.com/ e comunicada sua utilização através do e-mail artigos@institutojetro.com.

Leia também
Administração do dinheiro: tudo começou na criação
Honre ao Senhor com seus bens
Liderança cristã e a integridade