Artigos

Compartilhe

Reflexão

O cuidado com a alegria

"... Deus, o teu Deus, te ungiu (Jesus) com o óleo de alegria ..." (Hebreus 1.9)

Alguns têm a imagem de Deus como sendo carrancudo e triste. Grande engano! As Escrituras deixam claro que nosso Pai Celestial é cheio de paz e muito alegre. Aliás, assim é seu reino (Romanos 14.17) e ele só faz o que lhe dá alegria, lhe apraz e lhe agrada (Salmo 115.3), razão pela qual é Soberano sobre tudo e todos. Cristo, a imagem perfeita do Deus invisível (Colossenses 1.15), a exata expressão do seu Ser (Hebreus 1.3), refletiu essa alegria em toda sua vida. 

Desde o ventre de sua mãe, Jesus alegrou as pessoas. 

Foi por isso que Isabel declarou quando viu Maria grávida: "logo que me chegou aos ouvidos a voz da tua saudação, a criança estremeceu de alegria dentro de mim" (Lucas 1.44). O anjo, ao anunciar o nascimento de Jesus, declarou aos pastores no campo: "eis aqui vos trago boa-nova de grande alegria" (Lucas 2.10). E que grande alegria! Sempre, em suas idas e vindas, "ao regressar Jesus, a multidão o recebeu com alegria, porque todos o estavam esperando" (Lucas 8.40). E quando chamou o curioso Zaqueu em cima da árvore, este "desceu a toda a pressa e o recebeu com alegria" (Lucas 19.6).

Por outro lado, Jesus alegrou-se com as pessoas.

Após o retorno de seus amados discípulos de uma missão, sua alegria foi tão grande que "exultou Jesus no Espírito Santo e exclamou: Graças te dou, ó Pai, Senhor do céu e da terra, porque ocultaste estas coisas aos sábios e instruídos e as revelaste aos pequeninos. Sim, ó Pai, porque assim foi do teu agrado" (Lucas 10.21). Alegrou-se com o crescimento e amadurecimento de seus amados. Tinha verdadeira alegria e prazer em estar com crianças (Marcos 10.13), com amigos (João 12.2), ou com qualquer de suas pequenas ovelhas perdidas (Mateus 18.13). 

Alguns, entretanto, poderiam afirmar que nem tudo na vida de Jesus foi revestido de alegria.Talvez argumentem que a cruz seja prova de tristeza. Aliás, muitos cultivam esse sentimento ao olhar para a cruz. Sem ignorar seu sofrimento e sacrifício, o autor de Hebreus nos ensina que "Jesus, em troca da alegria que lhe estava proposta, suportou a cruz, não fazendo caso da ignomínia" (Hebreus 12.2). Em outras palavras, mesmo a rude cruz tinha, ao final, uma proposta de alegria. Nas palavras do profeta, ao ver o fruto de seu penoso trabalho, Jesus ficou satisfeito, feliz, alegre (Isaías 53.11). Sua alegria estava no resultado de reconciliar seus eleitos com o Pai Celestial. 
Jesus alegrou-se com sua missão. De igual forma, Jesus alegra quem está na missão. 

Por isso, "regressaram os setenta (da missão), possuídos de alegria, dizendo: Senhor, os próprios demônios se nos submetem pelo teu nome!" (Lucas 10.17). Sabendo que sua missão traz consigo adversidades, prometeu: "Bem-aventurados sois quando, por minha causa, vos injuriarem, e vos perseguirem, e, mentindo, disserem todo mal contra vós. Regozijai-vos e exultai, porque é grande o vosso galardão nos céus" (Mateus 5.11-12a). Continuou prometendo: "vós ficareis tristes, mas a vossa tristeza se converterá em alegria. Assim também agora vós tendes tristeza; mas outra vez vos verei; o vosso coração se alegrará, e a vossaalegria ninguém poderá tirar". Para estes, completou sua promessa dizendo: "pedi e recebereis, para que a vossa alegria seja completa" (João 16.20b, 22 e 24). 

Confirmou o salmista quando disse que "os que com lágrimas semeiam, com júbilo ceifarão" (Salmo 126.5). Jesus foi ungido com alegria para derramar "óleo de alegria, em vez de pranto, veste de louvor, em vez de espírito angustiado" (Isaías 61.3). Em Cristo, temos acesso a essa fonte de alegria. Vamos, portanto, nos alegrar sempre no Senhor (Filipenses 4.4), sabendo que em sua presença há plenitude de alegria (Salmo 16.11) e esta alegria é a nossa força (Neemias 8.10), mesmo em tempos de provações (Tiago 1.2). Cuide disso!

Reprodução Autorizada desde que mantida a integridade dos textos, mencionado o autor e o site http://www.institutojetro.com e comunicada sua utilização através do e-mail artigos@institutojetro.com 

Leia Também
A lógica de Deus
O cuidado com a solitude
O cuidado com a comunhão