Artigos

Compartilhe

Comunicação e Marketing

O cuidado com o ser humano e a comunicação responsável nas organizações


Nós não temos a experiência para lidar com esse momento que todos, no mundo, estamos vivendo com o #Coronavirus #Covid19. Como nossas atitudes a partir dessa crise emergem e são colocadas em prática? Estamos nos questionando sobre o que fazer, como fazer e de que maneira pensarmos no novo futuro?

O coletivo entra em cena com muita intensidade e talvez a missão, os valores de nossos negócios estejam sendo repensados a partir dos movimentos dessa nova sociedade. Nossos pensamentos não são mais somente econômicos, mas ambientais, sociais, políticos, culturais, humanos, de saúde e bem-estar. Estamos vendo comportamentos e atitudes que demonstram a nossa capacidade em desenvolvermos interações sociais e sermos mais humanos e conscientes.

Viver o propósito e os valores tem sido um comportamento diário, mesmo que redesenhados nesse momento de crise, para que empresas encontrem caminhos que tragam mais significado para suas ações. É preciso presença ativa e intensa. Estar engajado em causas sociais gerando impactos positivos nas comunidades onde atue é comportamento já observado pela sociedade.

Conectar e se relacionar com diferentes públicos, priorizando as relações com os empregados, demonstra a relevância da comunicação para aprendermos a lidar e a comunicar com consistência, relevância e autenticidade. Estamos dia a dia construindo relacionamentos de confiança, com muito mais conexões e reconhecimento dos públicos por aquilo que efetivamente estamos fazendo.

Manter viva a alma da organização, instigar relacionamentos e novas iniciativas. Construir pontes em cada ponto de contato da organização para que a energia, o vibrar seja mais intenso. Certamente são mudanças significativas e que trazem transformações na cultura.

Engajar para a retomada com uma nova arquitetura, que já vem sendo pensada pelas empresas simultaneamente às experiências que estão sendo vividas. Ao considerar esses aprendizados, podemos dar novos inputs para nossa organização e aqueles com os quais convivemos, nos preparando para novos reinputs que vem sendo construídos nesse momento de fragilidade, cujos aprendizados revigoram a alma.

Estamos refletindo muito como sociedade e certamente nossas empresas estarão deixando pós-pandemia novos legados.

Vida em nossas organizações

Esse sentimento coletivo de estarmos todos juntos nesse enfrentamento traz um senso de colaboração e engajamento mais intenso, que precisa ser nutrido pelas lideranças. Times menores, facilitam a troca e a proximidade, e podem ser mais colaborativos e engajados, seja no trabalho remoto ou presencial. Essa nova arquitetura da comunicação interna requer proximidade e diálogo em todos os níveis e instâncias de decisão.

Esses contextos podem ser observados pelas organizaçõess que já planejavam a Comunicação Interna (CI) e certamente para as que não desenvolviam a CI as quais se veem com essa responsabilidade para a continuidade de seus negócios.

Orientar e cuidar dos funcionários

Ser canal de informação oficial para seus funcionários. Valorizar a segurança e o bem-estar. Orientar e oferecer condições para que os funcionários tomem medidas preventivas. Mensagens com foco em soluções (Trust Barometer), que ajudem nos novos desafios relacionados a pandemia. Corrija imediatamente informações equivocadas, a organização é fonte de credibilidade para seus funcionários. Cuidar das pessoas também pensando em suas famílias: expressar empatia e amor. Coloque seu presidente na linha de frente, comunicando com seus funcionários. Utilize multiplataformas, variados canais. Lideranças são primordiais nesse momento, mantendo-se próximas seja trabalho remoto ou não.

Estamos com nossos planos de contingência para o primeiro Caso Covid-19 desenhados. Há processos de comunicação expressivos, com a presença do Presidente. Cuidamos e continuamos a fornecer orientações e apoio para os empregados que foram afastados por serem do grupo de risco. Mantemos canais abertos e intensos com as equipes nas plantas ou em trabalho remoto. Redesenhamos nossos negócios nessa quarentena, estudando e desenvolvendo novos projetos. Chega o tempo da retomada, de analisar novos planos e informações, mas a voz da empresa continua sendo a fonte de credibilidade para seus empregados.

Cabe as lideranças criarem um ambiente mais seguro possível e que privilegie o bem-estar, inspire cuidados e promova a proximidade.

·      Transparência é fundamental, fale a verdade, leve segurança
·      Circule, mantendo o distanciamento social, para conversar com seus liderados
·      Estar próximo, mostrando a vulnerabilidade desse momento, mas aprendendo a enfrentar juntos
·      Pergunte se seu funcionário tem o que precisa para desenvolver seu trabalho
·      Exercitar a empatia, promovendo experiências no dia a dia
·      Estimular senso de propriedade e o orgulho de pertencer
·      Demonstrar confiança junto à equipe e outros setores da empresa
·      Rever o pensar e o executar em conjunto com a equipe, fazendo follow up e feedback ativo e intenso
·      Zelar pelos relacionamentos, ouvindo mais, reorganizando em times menores para proximidade e tomada de decisões mais coletivas
·      Enfatizar a atitude flexível e criativa, seja no local de trabalho ou virtualmente, mantendo as redes conectadas
·      Reimaginar, deve ser o novo desafio para o desenvolvimento de novos times
·      Refletir com a equipe como será “daqui para frente”, pois as decisões certamente não serão mais unilaterais

Novo normal: interações sociais. A ideia é ouvirmos mais, julgarmos menos e construirmos coletivamente pensando em cadeias mais integradas de relacionamentos com nossos funcionários e outros públicos.

Artigo publicado na página da autora no Linkedin.

Reprodução Autorizada desde que mantida a integridade dos textos, mencionado o autor e o site http://www.institutojetro.com/ e comunicada sua utilização através do e-mail artigos@institutojetro.com